Loading...

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

A Guerra na Chechenia

O

CENTRO DE CULTURA SOCIAL ANTONIO MARTINEZ convida para a palestra (Dia 06 de Setembro as 14h00 na sede do CCS Antonio Martines, em São Miguel Paulista.)


"A Guerra na Chechenia" com Cristina, que trará informações sobre as invasões e genocidios praticados pelo governo russo aos vainakhi. Também será apresentado as diversas formas de luta pela autonomia social dos povos caucasianos.


Terá exposição de fotografias.

Essa palestra faz parte das atividades da Rede de Solidariedade entre os Povos do mundo (para fazer parte da rede entre em contato pelo e-mail koro@riseup.net)


Informações: ccsam.blogspot.com ou (11) 3493-7561



A história da guerra na Chechênia



A situação atual é o seguinte:



Desde 1994, começo da guerra na Chechênia, os povos do Cáucaso Setentrional estão sofrendo o terceiro genocídio na sua história. O primeiro foi no século XIX durante a colonização desta região pelo império russo; o segundo foi a deportação stalinista de 1944; o terceiro (atual) é o genocídio silenciado pela imprensa russa e apresentado como combate ao terrorismo internacional. “Chechenos/as” é o nome dado aos povos da região pelo exército imperial, na realidade as pessoas até hoje se auto-denominam “vainakhi” (“nosso povo”). E o que incomoda todos os governos, impérios, Estados interessados em explorar esta região rica em recursos naturais (petróleo, terras férteis) e geograficamente estratégica (montanhas de Cáucaso, grandes rotas comerciais) é um modo de organização social não hierárquico, não autoritário, na base de conselhos e uso de recursos coletivo.

A invasão do exército da Federação Russa na Chechênia começou em 1994. As cidades e as vilas foram bombardeadas causando centenas de milhares de mortes e ferimentos entre a população civil. Desde aquela época muitas famílias foram embora de suas terras em busca de segurança. Porém com a campanha xenófoba e racista do governo e de meios de comunicação russos estas famílias se tornaram vítimas de perseguições e preconceito. Ser chechen@, ser do Cáucaso, para uma grande parte de população da Rússia, equivale a um “ser terrorista”.

Para estas idéias racistas contribuíram os ataques ditos “atos terroristas” como explosões de prédios residenciais, em 1999, a tomada de reféns num teatro de Moscou, em 2002, a tomada de escola em Beslan, em 2004. Algumas destas ações foram organizadas pelos serviços secretos do governo de Pútin, ex-presidente da Rússia e ex-chefe da polícia secreta, e serviram de pretexto para a continuação de guerra na Cáucaso, enquanto havia tentativas de negociações de paz e alguma pressão da sociedade civil para o fim de extermínio.

Hoje em dia, toda a imprensa da Rússia festeja o fim da guerra, a criação de um governo leal ao Pútin na Chechênia (um governo fantoche eleito num processo fraudulento). Enquanto isso, no Cáucaso continuam os seqüestros de moradores, e as operações militares que se expandem para as regiões vizinhas de Chechênia.

É muito importante denunciar esta guerra e os crimes cometidos contra os moradores, romper o silêncio e combater o racismo na Rússia (toda ex-URSS, aliás). Enfim, denunciar as diversas formas de terrorismo de Estado em curso na região do Cáucaso.

Nenhum comentário: